Vale a pena ler:
PULP
CHARLES BUKOWSKI

domingo, 25 de maio de 2014

Leia e pense...

Se eu houvesse de definir a alma humana... diria que é uma casa de pensão. Cada quarto abriga um vício ou uma virtude.
                         
                                                (Machado de Assis)
RETRATO DA ALMA

Pensemos o seguinte... Imagine se cada um de nós possuísse um retrato como o retrato de Dorian Gray. Se cada um de nós pudesse vislumbrar a própria alma em uma tela habilmente pintada. Seria deliciosa e tentadoramente pavoroso, não? Uma anomalia, um feito contra a natureza.
Mas, imagine se, pudesse ser visto nessa tela, cada pecado e gesto cruel, mesmo que impensado, que você cometeu. Imagine se pudesse ver a própria corrupção personificada em você mesmo, afinal de que outra maneira poderia ser vista? Em consequências dos seus atos, você me diria talvez, mas as consequências oferecem saídas muito charmosas e encantadoras como: "eu não pude evitar" – justificando-se -  ou elas simplesmente passarão com o tempo, dando a falsa impressão de que seus atos não deixariam marcas em sua alma, ou você poderia até mesmo ignorá-las, se for um pouco insensível e prefira fechar os olhos à ruína enquanto ela acontece à sua frente.
Ainda que assustadora, seria terrivelmente atraente a idéia de "espiar" a própria alma, mesmo que para apiedar-se de si mesmo, ação que também possui sua malícia ao acreditar que o fazendo ninguém poderia julgar-lhe. Mas depois de observar o terror de seu âmago, ao ver a podridão que pode ser a sua alma... O que você faria? Haveria o que fazer? Você pode se redimir é claro, mas, e quanto aqueles que sofreram com suas ações?  Ah, claro. Eles têm o perdão à disposição para seu alívio, não é mesmo?  Qual seria o efeito disso tudo em você?
A humanidade, o ser humano, em conjunto ou isolado, é sujo. Vil. Ainda que nas menores e consideradas tolas questões. Mas não me alongarei mais nesse discurso, posso estar falando apenas sandices e você pode não estar interessado em sua alma ou nessas reflexões. Ah, um trocadilho, reflexões... Pensamentos filosóficos e também uma espécie de uma possível autobiografia... Enfim... Pode ser que não seja preciso um retrato feito por um grande artista em evidência, você pode simplesmente olhar para dentro de si mesmo ou apenas olhar-se no espelho. Um grande homem disse um dia que "apenas quem é superficial conhece a si mesmo". Talvez eu esteja sendo morbidamente pessimista com a humanidade... Sem dúvida, eu também preciso marcar um encontro com a minha alma...
Mas eu posso estar errado... Posso estar apenas sendo amargo e insensível... Ou amargo e sensível em excesso... Quem sabe eu não esteja apenas delirando em todos esses pensamentos?

                                                                Autor: Fernanda Coutinho