Vale a pena ler:
PULP
CHARLES BUKOWSKI

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

A DAMA AMADA
                           
Amanda era uma mulher feliz. Bem sucedida profissionalmente e independente, era uma referência para suas amigas. No trabalho, além de exigente, era muito competente. Todos a respeitavam e admiravam. Estava sempre disposta a ouvir e ajudar, sempre de bem com a vida. Só era um pouco reservada, quando se tratava de sua vida particular. Uma dama em todos os sentidos. Até mesmo Samira, sua melhor amiga, com quem já havia dividido o apartamento há alguns anos, não sabia detalhes de sua vida. No entanto, ninguém duvidava que o seu excelente humor e estado de espírito eram resultantes de uma vida equilibrada. Além do sucesso profissional, Amanda desfrutava também do sucesso amoroso. Seu atual namorado era o príncipe que toda mulher deseja encontrar. Apesar das freqüentes viagens a negócios, Sampaio era atencioso, carinhoso, amoroso e, procurava compensar os dias de ausência, dedicando-se totalmente à Amanda, nos dias em que estavam juntos. Não havia espaço para amigos, os dois faziam tudo juntos. Após os encontros com Sampaio, Amanda sempre parecia estar mais leve, mais bela, mais feliz. Porém, Samira sentia que a amizade entre elas havia esfriado um pouco, desde que Amanda conhecera Sampaio. Até aí, um fato normal, geralmente as pessoas se afastam um pouco dos amigos quando estão vivendo um grande e verdadeiro amor. O que a incomodava era a indisponibilidade de Sampaio, quando se tratava de conhecer os amigos de Amanda, que sempre se desculpava sem graça e com as mesmas frases aludindo às viagens, aos negócios e ao desejo dele de estar somente com ela.
Nem no seu aniversário, Amanda quis comemorar com seus amigos. Iria comemorar com um jantarzinho íntimo. Somente ela e o seu grande amor.
No início da noite, Samira resolveu telefonar para a amiga, que atendeu mais alegre que de costume. Amanda estava bêbada e só conseguia rir muito. Samira indagou se estava tudo bem e, se Sampaio estava com ela, ao que obteve, entre muitas gargalhadas, uma resposta positiva de Amanda.
Curiosa com a bebedeira incomum da amiga, Samira resolveu ir até o apartamento de Amanda. Ao chegar, instintivamente, pôs sua cópia da chave na porta e verificou que a amiga não havia trocado a fechadura.
A sala estava impecavelmente arrumada. Samira ficou feliz quando viu que a amiga ainda mantinha uma das várias fotos que tiraram juntas, sobre um móvel. Enquanto relembrava o passado, ouviu risos vindos do quarto. Caminhou em silêncio e, viu que a porta estava aberta. Curiosa, não pela intimidade do casal, mas em ver finalmente o misterioso namorado da amiga, ela arregalou os olhos ao vê-la na cama, completamente nua, acariciando e chupando uma enorme lingüiça paio. Bêbada, Amanda não percebeu a presença da amiga e depois da carícia oral, introduziu em si mesma o festejado embutido.
Sem saber o que fazer e, muito menos o que dizer, Samira retirou-se deixando a amiga em sua festinha íntima. No elevador, não conteve o riso ao lembrar o nome dado pela amiga ao misterioso namorado. Sampaio... Não podia ser mais adequado.
A fila andava devagar e, enquanto esperava sua vez, Samira pensava em Amanda. A amiga era independente financeiramente, ocupava um alto cargo em uma grande empresa, era inteligente, bonita, elegante e aparentava ser realmente muito feliz com a vida que tinha. Nunca havia em momento algum, apresentado sinais de insanidade ou sequer de depressão. Somente sinais de alegria e felicidade. Mas o que é felicidade?     O conceito de felicidade varia de pessoa para pessoa. O que pode ser motivo de felicidade para alguns, pode não ser para outros. Felicidade é um estado de espírito, é estar bem consigo mesmo. É fazer o que se quer, respeitando o desejo e a individualidade de cada um. E Amanda era assim, por isso, ela continuaria a respeitá-la e admirá-la sem julgamentos.
Absorta, Samira assustou-se, quando ao chegar sua vez, o magarefe perguntou:
            ─ E aí, freguesa? Qual é o pedido?
Decidida, ela respondeu:
            ─ Quero trezentos gramas de lingüiça paio.

                                                   Autor: Cicero Coutinho

4 comentários:

  1. linguiça de paio.... boa pedida, vou colocar no meu cardápio rsrs!

    ResponderExcluir
  2. Oba Cícero, gostei de conhecer seu blog e adorei esse conto. Acho as personagens femininas fascinantes. Se puder, dá um pulinho no meu blog e leia um dos contos abaixo, com mulheres protagonizando:

    http://umpoucodenada.com.br/2010/09/fuga/

    http://umpoucodenada.com.br/2010/07/respostas/

    Um forte abraço.

    Léo.

    ResponderExcluir
  3. Excelente!

    Gostei muito da maneira inesperada que você terminou o conto. Confesso que eu esperava tudo menos "paio" rs.

    Parabéns por mais um conto excelente.

    ResponderExcluir
  4. Oi,Cícero! olha vou ser sincera: eu tava imaginando a cena e na hora do paio..ri muito e assim como o Leandro não esperava no final a amiga da Amanda comprando paio.

    Grande Sampaio, hein?! Seguuuuurraaa peããããããã!!!!!

    ResponderExcluir